Perfil: Clemilda, a rainha do forró

clemilda1
Clemilda no Forró Caju 2008 / Foto: Marcelinho Hora
clemilda2
Clemilda no Forró Caju 2008 / Foto: Marcelinho Hora
clemilda3
Clemilda ao lado do filho, Robertinho dos Oito Baixos, no Forró Caju 2008 / Foto: Marcelinho Hora
clemilda4
Clemilda no Forró Caju 2008 / Foto: Marcelinho Hora
clemilda5
Fã da cantora Clemilda no Forró Caju 2008 / Foto: Marcelinho Hora

Nascida em Palmeira dos Índios, Zona da Mata alagoana, a forrozeira Clemilda Ferreira da Silva foi para o Rio de Janeiro ainda adolescente. Na cidade maravilhosa, Clemilda trabalhou como garçonete, até que em 1965, cantou pela primeira vez na Rádio Mayrink Veiga, no programa ‘Crepúsculo Sertanejo’.

Na mesma ocasião, conheceu o também alagoano Gerson Filho, com quem casou-se. Gerson Filho era sanfoneiro e popularizou o fole de oito baixos. Clemilda fez participações nos LP’s do esposo e em 1967 ela gravou seu primeiro LP.

Gerson Filho sempre a acompanhou em suas apresentações, e foi após 1994, com a morte do companheiro, que a forrozeira afastou-se dos palcos.

Paixão por Aracaju

Com pouco mais de 40 anos de estrada, a artista vive há mais de 20 anos em Aracaju, cidade pela qual é apaixonada. Ao longo desses anos, Clemilda ganhou dois discos de ouro, o primeiro, em 1985, quando estourou nas paradas de sucesso com a música “Prenda o Tadeu”, participando de vários programas de rádio e TV, entre eles, o “Clube do Bolinha”, na rede Bandeirantes, e “Cassino do Chacrinha”, na rede Globo.

O segundo, ganhou em 1987, com o disco “Forró Cheiroso”, mais conhecido como “Talco no Salão”. A composição de seus trabalhos caracteriza-se principalmente pela ambigüidade das letras, tidas como maliciosas.

Além disso, atualmente Clemilda vem se dedicando à apresentação do programa “Forró no Asfalto”, que divulga artistas locais e cultiva a tradição nordestina, na TV Aperipê de Aracaju.

Porém, a vida de Clemilda nem sempre foi feita de glória. Além das dificuldades enfrentadas no Rio de janeiro, a artista passou por dois derrames cerebrais. Mas apesar de suas limitações pela idade, ela voltou a apresentar-se nos palcos e ainda continua com energia para fazer os shows, agora acompanhada do filho, Robertinho dos Oito Baixos, fruto de seu relacionamento com Gerson Filho.

Clemilda se apresenta somente duas vezes por ano, no Forró caju – festa junina que acontece na área dos mercados históricos de Aracaju, e no Arraiá do povo – festa junina que acontece na Orla de Aracaju, sempre cantando músicas de Luiz Gonzaga, Trio Nordestino, dentre outros, além, claro, de suas composições.

Nesse ano, a artista recebeu duas homenagens marcantes: um programa especial feito pela TV Aperipê chamado “Todos cantam Clemilda”, que foi ao ar no dia 23 de junho e teve participação de artistas como Genival. Cada convidado cantou composições da artista.

Clemilda também foi homenageada pelo Governo de Sergipe com o seu nome intitulando o palco principal do Arraiá do Povo.

Música Sergipana

musicasergipana1
Nino Karva / Foto: Marcelinho Hora
musicasergipana2
Paulo Lobo / Foto: Marcelinho Hora
musicasergipana3
Patrícia Polayne / Foto: Marcelinho Hora
musicasergipana4
Rubens Lisboa / Foto: Marcelinho Hora
musicasergipana5
Minho San Liver / Foto: Marcelinho Hora
musicasergipana6
Banda Mosaico / Foto: Marcelinho Hora
musicasergipana7
Banda Snooze / Foto: Marcelinho Hora
musicasergipana8
Alex Sant’anna / Foto: Marcelinho Hora
musicasergipana9
Banda Cartel de Bali / Foto: Marcelinho Hora
musicasergipana10
Banda Java / Foto: Marcelinho Hora
musicasergipana11
Banda Plástico Lunar / Foto: Marcelinho Hora
musicasergipana12
Banda Sibberia / Foto: Marcelinho Hora
musicasergipana13
Banda Alapada / Foto: Marcelinho Hora
musicasergipana14
Banda Triste Fim de Rosilene / Foto: Marcelinho Hora
musicasergipana15
Banda MAUA / Foto: Marcelinho Hora
musicasergipana16
Banda Reação / Foto: Marcelinho Hora
musicasergipana17
Banda Naurêa / Foto: Marcelinho Hora
musicasergipana18
Banda Maria Scombona / Foto: Marcelinho Hora
musicasergipana19
Banda Maria Scombona / Foto: Marcelinho Hora

Breve história da música em Sergipe

Até 1970 a música popular massiva sergipana praticamente não existia. Não se produzia discos e ela se limitava a alguns intérpretes dos ritmos ouvidos em todo Brasil à época: boleros, chorinhos e muita música romântica e saudosista.

Os nomes que se destacaram foram: Luís Americano, que teve seu chorinho apresentado nos Estados Unidos, e Francisco Alves, conhecido em todo o Brasil. Contudo, o forró se apresentava como ritmo que atraia o gosto popular e a iniciativa artística local. Grandes nomes forrozeiros acompanharam o sucesso do ritmo levado ao país inteiro por Luiz Gonzaga, e fizeram sucesso nacionalmente representando Sergipe. Dentre eles estão Clemilda e Erivaldo de Carira.

É no final da década de 70 e início dos anos 80, que começa a surgir um sentimento ufanista em nosso Estado em relação à música. Desenvolve-se o conceito de música popular sergipana, que traz a idéia de uma música autêntica de Sergipe.

Os festivais

As décadas de 70 e 80 foram marcadas por grandes Festivais de Música no Brasil, valorizando a música popular brasileira e revelando grandes artistas. Sergipe também acompanhou este movimento, pois, além dos Festivais Nacionais, havia vários outros festivais regionais e estaduais dos quais nossos artistas participavam. Além disso, Sergipe também teve seus festivais, e um dos primeiros que entraram para a história foi o FMPS – Festival de Música Popular Sergipana, na década de 80, cujo primeiro vencedor foi o grupo Cata Luzes. A sua segunda edição revelou o cantor Mingo Santana, que ganhou o primeiro lugar com a música ‘Sementeira’.

Outro festival importante foi o Novo Canto – Festival de Música Estudantil, que em 86, 87 e 88,  lançou nomes como Chico Queiroga, Antônio Rogério, Sena e Sergival, Nininho Silveira, hoje Nino Karva, entre outros. Vale lembrar que o festival gravava um disco com as 10 melhores músicas.

Música popular sergipana

Intimista, a música popular sergipana surgiu nos anos 1980. Ufanista, a música produzida optou por temas sempre ligados à nossa cultura, aos aspectos físicos e naturais do Estado, ou simplesmente, à situações ou pessoas do lugar, como pode ser notado em trabalhos do já mencionado grupo Cata Luzes, além dos cantores Paulo Lobo, Lula Ribeiro e Irineu Fontes.

Quanto ao ritmo, variava de blues a rock, passando pelo forró, é claro. Também nessa década, surgiu, de forma acanhada, a bossa nova sergipana, tendo como propiciadores Joubert Moraes, Lina e Marco Preto.

Os encontros culturais em Sergipe tiveram uma participação importante na divulgação de nossa música e ritmos folclóricos. Destaca-se nesse período o Encontro Cultural de Graccho Cardoso, que, em sua edição de 98, aboliu qualquer tipo de música massiva como o axé ou o pagode.

Os demais encontros, sendo os principais o Encontro Cultural de Laranjeiras, o Festival de arte de São Cristóvão (FASC) e o Encontro Cultural de Propriá, que biscavam dar ênfase ao folclore, às manifestações populares e à arte.

Nas décadas de 70 e 80, o principal elemento de divulgação dos músicos sergipanos foram, sem dúvida, os bares. Cada dia da semana era destinado a um barzinho.

A Universidade Federal de Sergipe também foi um dos fomentadores da nossa produção musical, embora tenha sido de maneira esporádica, mas, indiretamente, lá se articulava o movimento da música popular do Estado. A UFS promoveu em 1989 o Festival de Música Ecológica, cujo vencedor foi Nininho Silveira, e em 92, o Femufs – Festival de Música Universitária.

Em 1997 surgiu uma nova tentativa de articular o Novo canto, mas que não obteve o mesmo referencial das edições anteriores. Projetos como o Prata da Casa e o Projeto Seis e Meia, promovidos pela Secretaria de Estado da Cultura, incentivaram o trabalho de muitos artistas.

O Canta Nordeste, na década de 1990, estimulou a produção musical de Sergipe, reunindo grandes intérpretes e compositores como Amorosa, Ismar Barreto e Patrícia Polayne.

Em nível local, o Sescanção, festival realizado pelo Sistema Fecomércio, pode ser considerado hoje o evento mais articulador da música em Sergipe.

A década de 1990 e a Pausterização da Música

O aparecimento da Axé-music começa a tomar lugar no gosto popular estimulado pela mídia. Depois com a prévia carnavalesca inspirada na axé-music baiana, o Pré-caju, e do Forró eletrônico, o processo de gravação da música popular sergipana foi totalmente interrompido.

A onda da forró-music conta com inúmeras bandas locais que são sucesso todo ano. Poderíamos citar Raio da Silibrina, Brucelose, Calcinha Preta, Bando de Mulheres e Chamego de Menina.

Dessa forma, muitos dos artistas de referência dessa música tiveram que buscar outras formas de divulgação de seus trabalhos participando de festivais em outras partes do Brasil, como o de Campos do Jordão ou Maringá, ou tentando divulgar seus trabalhos nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo, como Lula Ribeiro, Doca Furtado e Chico Queiroga, mas não fugindo totalmente de suas origens.

Alguns artistas destacaram-se naqueles festivais como a dupla Sena e Sergival. Outros artistas como Amorosa, Rogério tiveram que se adaptar ao mercado dos mass media em um desses momentos, embora buscassem manter um sentido mais artístico e caracterizador da cultura local.

Dos artistas em destaque nos anos 1980, só em meados da década de 1990 é que alguns conseguiram realizar um trabalho completo como Chico Queiroga, que formou dupla com Antônio Rogério, Joésia Ramos, Mingo Santana, Antônio Rogério e Rubens Lisboa. O grupo Cata Luzes também consegue nesta década gravar seu segundo CD.

A década de 90

Outros gêneros musicais são fomentados na década de 1990. O gênero pop-rock, em Sergipe, desponta com o festival de Rock-SE. Alguns artistas se destacam, a exemplo de Minho San-Liver e Mosaico.

A banda Snooze, que apresentou álbuns com selos independentes, considerados pela crítica bons trabalhos, é um bom exemplo do rock sergipano. Tempos depois, surgem artistas como Alex Sant’anna e bandas como Cartel de Bali, Java, Plástico Lunar, Sibberia, e Alapada, que recentemente conseguiu lançar uma música em novela da rede Record.

O rock mais pesado tem seu representante com a banda Karne Krua, que faz shows até hoje, Triste fim de Rosilene, além de bandas mais novas, como a MAUA.

A diversidade musical em Sergipe cada vez mais se consolida também em outros estilos, a exemplo do reggae, que tem na banda Reação um grande nome.

Identidade e folclore na música sergipana

Parte do momento de valorização das manifestações culturais folclóricas duas modalidades que podem ser observadas na relação entre folclore e música em Sergipe: a inserção de temas e versos dos folguedos na canção popular sergipana, e a hibridização da música misturando ritmos do rock, jazz e blues a ritmos folclóricos. O ponto comum é a valorização da cultura de Sergipe e a inserção nas tendências mundiais da produção musical.

O folclore tem sido valorizado nas canções populares. Mingo Santana foi um dos primeiros a vislumbrar os ritmos folclóricos misturando aos seus blues ritmos do folguedo Cacumbi. Suas letras também refletem sua relação com a natureza e o folclore local.

A dupla Chico Queiroga e Antônio Rogério também trazem o folclore, embora cantando versos da dança de São Gonçalo, como contraponto à seqüência da música.

Na segunda modalidade, a música contemporânea sergipana carrega de sons diversos, misturando ritmos folclóricos sergipanos e nordestinos com rock, reggae e música eletrônica. A influência do movimento Manguebit de Pernambuco constitui uma das principais características de muitos grupos, como na banda Sulanca. A banda Sulanca de forma mais definida trabalha vários sons inspirados em várias danças e folguedos sergipanos bem como dos emboladores típicos das feiras nordestinas. No seu álbum ‘Megafone’ insere diversas faixas incidentais desses ritmos.

As bandas Naurêa e Maria Scombona têm ganhado destaque no cenário nacional, participando de feiras de música alternativas e independentes, sobretudo a de Brasília e de Fortaleza.

Suas músicas trazem uma proposta de interação de culturas, e ao mesmo tempo de preservação e resgate da cultura local.

O próprio nome da banda Maria Scombona já reflete um engajamento com a identidade sergipana, pois trata-se de uma expressão coloquial que significa cambalhota. A banda tem como característica básica a mistura de ritmos regionais com rock, jazz e blues, e letras despojadas com expressões do cotidiano e de uso coloquial.

A banda Naurêa trouxe no seu segundo CD, lançado em 2006, ritmos trazidos do Reisado e do Maracatu, inclusive com uma referência a dona Lalinha, mestre do grupo de reisado da cidade de Laranjeiras, que mantém a tradição mesmo a pós a sua morte.

A banda Lacertae também se insere nesse contexto, trazendo uma proposta híbrida: embora priorize o rock experimental, misturam a MPB e o folclore da música nordestina. A banda inova inserindo outras artes, como é típico da música contemporânea, como no CD ‘A Volta que o Mundo Deu’, com versos de ‘Amiga Folhagem’, do escritor sergipano Sílvio Romero.

Nova fase

A Nova Música de Sergipe tem rendido gratas surpresas, a exemplo de bandas como a Rótulo e Ode ao Canalha, e novos festivais tem acontecido para dar visibilidade aos artistas da música, a exemplo do Coverama (festival de música cover) e Sonorama (festival de música autoral).

Outros bons exemplos de espaços para a visibilidade da música local são os eventos ‘Verão Sergipe’, ‘Rock Sertão’, ‘Projeto Verão’, ‘Forró Caju’ e ‘Arraiá do Povo’.

Com o tempo, a valorização da produção musical sergipana tem sido maior e vista como investimento, afinal, a cultura é um grande produto de exportação de Sergipe, e todos precisam conhecer o que existe de melhor no estado quando o assunto é música.

Gastronomia Sergipana

Preparada com temperos que diversificam seu sabor, a culinária sergipana é uma das mais ricas em variações de todo país.

Na culinária sergipana há sabores que fazem a diferença por sua especificidade na gastronomia brasileira. Um belo espetáculo de gostos, cheiros e cores aguçam os sentidos dos sergipanos e do turista.

Dentre suas diversas especialidades estão as comidas ligadas à vida litorânea, aos rios e estuários que cortam o território sergipano, que cultiva o hábito de consumir caranguejo ao molho vinagrete, sobretudo das cidades praieiras ou ligadas a manguezais. O guaiamum, outra espécie também extraída dos mangues, pode ser servido com um delicioso pirão e divide com o caranguejo a opinião dos degustadores quanto ao melhor petisco.

Na ‘Passarela do Caranguejo’ ou em outros locais da Orla e da cidade de Aracaju, são servidas as casquinhas de siri recheadas com a própria carne do crustáceo e os caldinhos de sururu, ostra e camarão. Nas praias do Abaís e do Saco é possível encontrar a saborosa moqueca de siri na palha de adicuri (ou ouricuri). A culinária à base de frutos do mar recebe o reforço dos peixes de água doce, considerando a proximidade do Rio São Francisco, o que facilita esta comercialização.

Entre a vasta relação de ingredientes que dão sabor à culinária sergipana, o coco é sem dúvida um dos mais utilizados nos diversos pratos. Com presença marcante na paisagem litorânea, os coqueirais dão base de sustentação à economia sergipana. Desde as raízes – utilizadas como chá, servem de remédio caseiro contra o amarelão – às folhas, tronco e casca, o coco pode ser utilizado. A água e a carne do fruto são bastante apreciadas. Além disso, o coco é o principal ingrediente da queijada, doce encontrado em Sergipe com um sabor inconfundível.

Outro ponto forte da culinária sergipana são os sucos de frutas nativas, dentre essas, a mangaba e o caju, presentes em quase todo o estado. Além dessas, vale a pena provar o umbu, manjelão, murici, jabuticaba, cajá, pitanga, pitomba, carambola, acerola, ubáia etc. Todos de excelente sabor e que formam um mosaico de cores e gostos. As tradicionais frutas tropicais também agradam o paladar de qualquer visitante, como o abacaxi, maracujá, melão, limão, goiaba, graviola, jenipapo, manga, pinha e melancia.

Dentre os produtos de origem animal, além de estar presente em todo o Nordeste, em Sergipe a carne de sol recebe uma importante parceira que é o pirão de leite. A especialidade fica por conta do município de Cedro de São João, anfitriã em servir o delicioso prato. E por falar em pirão, o melhor mesmo é provar a sua diversidade: pirão de capão, pirão de pitu, pirão da buchada de bode e os já citados, pirão de guaiamum e pirão de leite.

Pelas ruas de algumas cidades é comum escutar os pregões (cantos dos vendedores ambulantes) anunciando “sarôio, beiju molhado, malcasado e pé-de-moleque!”. Essas comidas fazem parte da herança da culinária indígena e africana e são vendidas nas ruas. Seu principal ingrediente é a macaxeira.

Na época das festividades do Ciclo Junino pode – se encontrar comidas que estão ligadas diretamente à colheita do milho. Canjica, mungunzá, bolo de milho, pamonha, cuscuz e o próprio milho verde assado ou cozido. O município de Carira, no semi-árido sergipano desponta como forte produtor de milho.

Cidades Históricas de Sergipe

Uma viagem ao interessante passado histórico de Sergipe.

Sergipe possui uma grande herança histórica e cultural. Duas cidades se destacam por serem verdadeiros museus ‘vivos’ a céu aberto: São Cristóvão e Laranjeiras, cada uma com suas peculiaridades.

A primeira é a quarta cidade mais antiga do Brasil e foi também, a primeira capital sergipana. A segunda ainda preserva seus antigos casarões, frutos de uma época na qual a cidade, no auge do ciclo canavieiro, foi chamada de ‘Atenas Sergipana’. Laranjeiras abrigou, em séculos passados, uma vida econômica e sócio-cultural pulsante, com gabinetes de leitura, clubes de teatro e jornais.

Ainda hoje, nas suas ladeiras de pedras, nas informações de seus museus ou em uma breve conversa com moradores mais antigos, a memória histórica é preservada para as futuras gerações.

Além do patrimônio material, as duas cidades históricas também são conhecidas pelo folclore de tradição secular, com seus cantos e contos sobre a história do passado em constante diálogo com o presente. Seguindo por estes caminhos, o turista poderá levar para si mais conhecimento sobre esse pedaço do Brasil.

O acesso para essas cidades é rápido, a poucos minutos de Aracaju, apresentando uma agradável surpresa. Conhecer as cidades históricas de Sergipe representa uma viagem ao passado de seu povo.

Arte Popular

A variedade de formas e matérias-primas atesta uma tradição que sobrevive com originalidade ao tempo.

O artesanato, cuja técnica é transmitida de geração a geração, é uma forma de trabalho espalhada por grande parte do território sergipano. Para muitos, esse trabalho constitui fonte de complementação ou até única fonte de renda.

Entre as peças, há aquelas que se destacam pela beleza e riqueza de detalhes, como é o caso da renda irlandesa, confeccionada no município de Divina Pastora. Além disso, o visitante poderá encontrar verdadeiras preciosidades que demonstram a criatividade do artesão sergipano, capaz de inovar sem que sua obra perca as características típicas.

O artesanato de Sergipe ultrapassa fronteiras regionais, abastece lojas sofisticadas de artigos de decoração e fornece rendas e bordados para confecções de grifes famosas.

A cerâmica de Santana do São Francisco, antiga Carrapicho, reúne comunidades de artesãos. A principal fonte de renda do município é o artesanato de argila e sua confecção envolve adultos e crianças. A maior parte da produção é utilitária e constituída de moringas, potes, vasos, panelas e pratos que são vendidos a granel nas feiras. A cerâmica figurativa retrata o homem rural e seu modo de vida. Entre os ceramistas destacam-se Beto Pezão, natural de Santana de São Francisco, porém residente em Aracaju, e Judite Santeira, do município de Estância.

Além da renda irlandesa e da cerâmica, a cestaria é outro tipo de artesanato encontrado em Sergipe. A prática veio de herança indígena e africana (como a cerâmica) e utiliza como matéria prima, cipó, taquara, junco, fibra e palha de palmáceas. São confeccionados, entre outros, caçuás, balaios, cestas, bolsas, chapéus e esteiras.

Todavia, é no setor de bordados e rendas, que o artesanato sergipano ostenta grande produção. É freqüente observar, em vilarejos e povoados, mulheres sentadas em frente às suas casas bordando. O bordado característico de Sergipe é o rendendê, associado ou não ao ponto de cruz. O rendendê é produzido nos municípios de Própria, Malhada dos Bois, Cedro de São João, Aquidabã, Tobias Barreto e Lagarto. Há bordados de considerável refinamento quanto ao desenho, combinação de cores e acabamento. São produzidas toalhas e caminhos de mesas, colchas, panos de prato, blusas, entre outros.

Ainda é possível encontrar no sertão do estado, mais precisamente no município de Poço Redondo, as rendas de bilro, peças de madeira compostas de uma haste com a extremidade em forma de bola ou fuso, que recebe o nome de ‘cabeça de bilro’.

Artesanato e o sertanejo

O artesanato de couro está ligado à vida sertaneja. Chapéus, apetrechos de montaria, gibão, sandálias, além de cintos e carteiras. Além do couro, a madeira também é utilizada para confecção de utensílios, como colheres de pau e gamelas de todos os tamanhos, tamboretes, apitos de chamar passarinhos e produção figurativa.

No artesanato de madeira, o destaque cabe a Cícero Alves dos Santos, nome de batismo do artista conhecido como “Veio”.  O artesão mantém, a 8 km da sede do município de Nossa Senhora da Glória, na Rodovia Engenheiro Jorge Neto, um museu a céu aberto. É o ‘S