Preparada com temperos que diversificam seu sabor, a culinária sergipana é uma das mais ricas em variações de todo país.

Na culinária sergipana há sabores que fazem a diferença por sua especificidade na gastronomia brasileira. Um belo espetáculo de gostos, cheiros e cores aguçam os sentidos dos sergipanos e do turista.

Dentre suas diversas especialidades estão as comidas ligadas à vida litorânea, aos rios e estuários que cortam o território sergipano, que cultiva o hábito de consumir caranguejo ao molho vinagrete, sobretudo das cidades praieiras ou ligadas a manguezais. O guaiamum, outra espécie também extraída dos mangues, pode ser servido com um delicioso pirão e divide com o caranguejo a opinião dos degustadores quanto ao melhor petisco.

Na ‘Passarela do Caranguejo’ ou em outros locais da Orla e da cidade de Aracaju, são servidas as casquinhas de siri recheadas com a própria carne do crustáceo e os caldinhos de sururu, ostra e camarão. Nas praias do Abaís e do Saco é possível encontrar a saborosa moqueca de siri na palha de adicuri (ou ouricuri). A culinária à base de frutos do mar recebe o reforço dos peixes de água doce, considerando a proximidade do Rio São Francisco, o que facilita esta comercialização.

Entre a vasta relação de ingredientes que dão sabor à culinária sergipana, o coco é sem dúvida um dos mais utilizados nos diversos pratos. Com presença marcante na paisagem litorânea, os coqueirais dão base de sustentação à economia sergipana. Desde as raízes – utilizadas como chá, servem de remédio caseiro contra o amarelão – às folhas, tronco e casca, o coco pode ser utilizado. A água e a carne do fruto são bastante apreciadas. Além disso, o coco é o principal ingrediente da queijada, doce encontrado em Sergipe com um sabor inconfundível.

Outro ponto forte da culinária sergipana são os sucos de frutas nativas, dentre essas, a mangaba e o caju, presentes em quase todo o estado. Além dessas, vale a pena provar o umbu, manjelão, murici, jabuticaba, cajá, pitanga, pitomba, carambola, acerola, ubáia etc. Todos de excelente sabor e que formam um mosaico de cores e gostos. As tradicionais frutas tropicais também agradam o paladar de qualquer visitante, como o abacaxi, maracujá, melão, limão, goiaba, graviola, jenipapo, manga, pinha e melancia.

Dentre os produtos de origem animal, além de estar presente em todo o Nordeste, em Sergipe a carne de sol recebe uma importante parceira que é o pirão de leite. A especialidade fica por conta do município de Cedro de São João, anfitriã em servir o delicioso prato. E por falar em pirão, o melhor mesmo é provar a sua diversidade: pirão de capão, pirão de pitu, pirão da buchada de bode e os já citados, pirão de guaiamum e pirão de leite.

Pelas ruas de algumas cidades é comum escutar os pregões (cantos dos vendedores ambulantes) anunciando “sarôio, beiju molhado, malcasado e pé-de-moleque!”. Essas comidas fazem parte da herança da culinária indígena e africana e são vendidas nas ruas. Seu principal ingrediente é a macaxeira.

Na época das festividades do Ciclo Junino pode – se encontrar comidas que estão ligadas diretamente à colheita do milho. Canjica, mungunzá, bolo de milho, pamonha, cuscuz e o próprio milho verde assado ou cozido. O município de Carira, no semi-árido sergipano desponta como forte produtor de milho.

Gastronomia Sergipana